segunda-feira, 7 de agosto de 2017

"O artista inconfessável"*

"
Fazer o que seja é inútil.
Não fazer nada é inútil.
Mas entre o fazer e o não fazer
mais vale o inútil do fazer.
Mas não, fazer para esquecer
que é inútil:nunca o esquecer.
Mas fazer o inútil sabendo
que ele é inútil e que seu sentido
não será sequer pressentido,
fazer: porque ele é mais difícil
do que não fazer, e dificil-
mente se poderá dizer
com mais desdém, ou então dizer
mais direto ao leitor Ninguém
que o feito o foi para ninguém."

*João Cabral de Melo Neto.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

minha casa, minha casinha, merda para o rei e para a rainha

video
Escala 1:50 (nunca mais), com materiais diversos (papelão, caixa e palito de fósforo, MDF e acetato (nas vidraças). Não é ainda uma Fabiano Faucz, mas devagar se vai ao longe.