quarta-feira, 20 de julho de 2016

o picadinho de minha avó

Meu tio Manoel, irmão mais novo de minha mãe, volta e meia falava de sua vontade de comer outra vez um picadinho de carne inesquecível que minha avó fazia, puxado na farinha de trigo. Eu imaginava que fosse algo parecido com uma receita que minha mãe fazia e de que eu não gostava nada: dourava-se a farinha em óleo, acrescentava-se a carne picada, sempre coxão mole, os temperos - cebola, alho, sal e pimenta - cozinhava-se na pressão. Recentemente, depois de experimentar várias versões do meu próprio picadinho, cheguei a um resultado que, modéstia à parte, agradou muito até a mim mesma, que não gosto desse prato. Uso filé mignon; passo os pedaços picados em farinha de trigo, bato o excesso, douro em pequenas porções em manteiga de muito boa qualidade (só o suficiente para selar), reservo. Refogo cebola ralada também em manteiga, acrescento sal, pimenta do reino, molho inglês e colorau. Acrescento um bom tanto de água (o molho vai engrossar devido à farinha de trigo em que foi selada a carne), deixo ferver bem, corrijo os temperos e trago para a panela a carne reservada. Rapidamente o molho engrossa  e a carne pega a temperatura de servir. Deve ser algo parecido com o que minha avó fazia. Quisera ter servido esse prato a meu tio; infelizmente, como com quase tudo na vida, demora-se tanto a aprender que quando chegamos no ponto de poder homenagear os mais velhos que um dia amamos e nos amaram, é muto tarde.

sábado, 30 de janeiro de 2016

das epígrafes à espera da obra

"Só reparo nos detalhes! o mundo, enorme, passa-me ao lado"


Marta Duque Vaz, em comentário de postagem minha no facebook, esse lugar útil para muita coisa mas indigno de guardar certos amuletos.

domingo, 1 de novembro de 2015

cinco poemas de Leila Guenther

PELA JANELA de um carro em movimento
atiro
       um a um
todos os fios de cabelo
de minha cabeça

a viagem é longa

Minha noite se divide
em muitas partes
que não posso reunir


A CHAT WITH CHET

Gosto mais de sua voz agora
grave, baixa, pesada
pela força de atração da terra
sem aquele caráter flutuante de quando você era
um rapar bonito e perfeito.

Gosto da economia de suas notas
e da sonoridade que elas adquiriram
depois que você perdeu os dentes.
Gosto mais de você sem dentes
e dos sulcos que surgiram das profundezas de sua face
depois que a máscara uniforme de garoto se quebrou.

Queria ter podido afagar todo esse seu rosto
                                                          [verdadeiro
quando você caiu daquela janela em Amsterdã.




MUDANÇA

Os objetos nas caixas
urdem uma vingança
que se dará sem som
e sem movimento

Os objetos nas caixas
transpiram entre folhas de jornais
enquanto esperam com paciência
serem arremessados no vazio
pela janela do mais alto andar
por quem um dia há de arremessar
                                                     também
a si mesmo


ASSIM VOANDO
o pássaro mais belo
é o urubu


A LETRA A

Foi pela forma com que se urdiram as letras
que o amor começou, eles o comprovam.
Certo estava aquele texto
a afirmar que no início era o verbo.
A carne, os cheiros, o toque, as sensações aguçadas pelas palavras
que pairam sublimes e altivas acima das lides, da
     [destruição do tempo, das crianças se avolumando
                                              [barulhentas ao redor,
ensinam o que é uma biblioteca: um ato de amor.
         E como ela perdura, ainda que os incendiários de
                       [Alexandria continuem à espreita.
O corpo acabará, o som morrerá na boca, antes de vir
                                                                           [à luz,
os cachorros, as árvores e os pássaros perecerão,
os filhos tomarão seus caminhos como veias
                                             [desligadas das artérias
e até aquela casa, onde passei os melhores momentos 
                                                              [de meu exílio,
Se extinguirá um dia.
Mas nela habita uma carta
para que os outros vivam.
E a ciência do futuro a decifrará
assim como um dia decifrou
Os papiros do Egito.











terça-feira, 13 de outubro de 2015

maritacas espiãs

Enquanto desenho na mesa da sala, duas maritacas me observam do telhado do vizinho.